quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Faz hoje 290 anos

27 de Dezembro de 1722
 
Forte sismo sentido no Algarve entre as 17 e as 18 horas. 

Segundo fontes da época,  a "Chronica Serafica da Santa Província dos Algarves" (Belém, 1750, cap. XXII, pp. 200-201)  " em Tavira acabou com um horroroso trovão No rio se apartaram as águas, de forma que uma caravela, que por ele ia saíndo, ficou em seco muito tempo"; " teve por centro de acção o nosso mar algarvio, rebentando naquelas paragens uma coluna de fogo de dentro do mar, que destruiu muitas embarcações parece que este tremor foi resultante de algum vulcão que abrisse uma boca junto dentro do mar e por isso a sua acção destruidora exerceu-se principalmente nas terras próximas do mar: Lagos, Portimão, Albufeira, Faro, Olhão, Fuzeta, Tavira (...). No rio de Tavira afastaram-se as águas de forma que uma caravela que ia a saindo barra for a ficou em seco muito tempo, dando lugar a que a tripulação saísse para terra a pé enxuto ". A intensidade estimada para o tsunami é III.

O cronista descreve em pormenor os efeitos do sismo de 27 de dezembro de 1722 no Convento de S. Francisco de Tavira, referindo ainda que "na mesma hora em que sucedeono Algarve, fez impressão neste Convento de Xabregas [Lisboa], abalando a cama de hum Religioso que nela se achava recostado, e fazendo soar per si o sino do nosso relógio". Diz também o cronista que, passados alguns dias, se fez uma procissão de acção de graças na cidade de Tavira, a qual passou a repetir-se todos os anos no mesmo dia de 27 de Dezembro, com a assitência do Senado, Comunidades e grande concurso do povo, "para memoria de hum tão grande benefício, que supposta a grande perda que houve, pudera ficar submergida aquella cidade."


IGREJA DE S. FRANCISCO

Tavira - Igreja de S. Francisco -Campanário
Também designado por Convento de São Francisco, a sua origem remontará ao ano 1272, e terá sido criada pelo rei D. Diniz. Pertenceu aos Templários até 1312, passando, depois, para as mãos dos frades franciscanos

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Boas Festas - 2012



A Árvore de Natal da Rede das Bibliotecas Escolares
Apreciem!Bela imaginação!

A EQUIPA da BE/CRE MARIA VELEDA deseja a todos os que consultam o seu blogue




Algumas imagens colocadas no placard da BE a desejar um Feliz Natal a toda a comunidade educativa. Cada estrela continha uma mensagem escrita pelos alunos. Em simultâneo, algumas imagens comemorativas do Natal em alguns países da Europa, para conhecimento da comunidade.




Cartões de Boas Festas em francês em exposição realizados pelos alunos




 


Os quatro melhores Cartões de Boas Festas realizados por alunos de Francês











A Professora Bibliotecária
Ana Maria Gândara Paiva

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Territórios e Fronteiras da Europa Séc. XI - XXI

Simplesmente admirável este vídeo!
Não poderia deixar passar a oportunidade de o colocar neste blog, essencialmente construído a pensar nos alunos.
Para os apreciadores de História, e curiosos...

A Professora Bibliotecária
 Ana Maria Gândara Paiva



sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Um Conto de Natal



Aproxima-se o Natal, época mágica, de fantasia, e de fraternidade e de amor para alguns.
Este ano, a BE/CRE presenteou os alunos dos 2º e 3º ciclos com a projeção de um belo filme, baseado na obra clássica de Charles Dickens "Um Conto de Natal". 

Recordamos que
Charles John Huffam Dickens nasceu em Portsmouth, a 7 de Fevereiro de 1812 (fez precisamente 200 anos), e morreu no dia  9 de Junho de 1870. No início da sua atividade literária adotou o pseudónimo Boz, e foi o mais popular dos romancistas ingleses da era vitoriana. A fama dos seus romances e contos, tanto durante a sua vida como depois, até aos dias de hoje, só aumentou. Apesar de os seus romances não serem considerados, pelos parâmetros actuais, muito realistas, Dickens contribuiu em grande parte para a introdução da crítica social na literatura de ficção inglesa.

Entre os seus maiores clássicos estão "David Copperfield" e "Oliver Twist".





A história

Ebenezer Scrooge é um homem avarento, que não gosta do Natal. Trabalha num escritório em Londres com Bob Cratchit, um pobre mas feliz empregado, pai de quatro filhos, que possui um carinho especial pelo frágil Pequeno Tim, que tem problemas de saúde nas pernas.
Numa véspera de Natal, Scrooge recebe a visita do seu ex-sócio Jacob Marley, morto há sete anos naquele mesmo dia. Marley diz que o seu espírito não pode ter paz, já que não foi bom nem generoso em vida, mas que Scrooge ainda tem uma hipótese, e por isso iria ser visitado por três espíritos.

O primeiro espírito chega, e que é o Espírito dos Natais Passados. Este leva Scrooge de regresso no tempo e mostra a sua adolescência e o início da sua vida adulta, quando Scrooge ainda adorava o Natal. Triste com as lembranças, Scrooge enfia o chapéu na cabeça do espírito, e este desaparece, deixando Scrooge de regresso ao seu quarto.

O segundo espírito, o do Natal Presente, irá mostrar a Scrooge as celebrações do presente, incluindo as festas humildes dos Cratchit, onde ele vê que, apesar de pobre, a família de seu empregado é muito feliz e unida.

O terceiro espírito mostrar-lhe-á o futuro…

Depois do filme, deliciem-se com a leitura do livro!
Partilhem o espírito de Natal!

A Professora Bibliotecária Ana Maria Gândara Paiva




quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Restauração da independência

A BE/CRE Maria Veleda voltou novamente a comemorar a Restauração da Independência.
E o que foi a Restauração? Foi a revolta dos Portugueses, iniciada em 1 de dezembro de 1640, chefiados por um grupo designado de Os Quarenta Conjurados,  dos quais se destacaram D. Antão de Almada, D. Miguel de Almeida, Francisco Melo e seu irmão Jorge de Melo, Pedro de Mendonça Furtado, António de Saldanha e João Pinto Ribeiro. A revolta alastrou por todo o Reino, contra a tentativa da anulação da independência do Reino de Portugal pela governação da Dinastia filipina, e veio a culminar com a instauração da 4.ª Dinastia Portuguesa - a casa de Bragança. D. Miguel de Almeida participou no assalto ao Paço da Ribeira, dando o sinal para a revolta, e aclamando como rei D. João IV (neto de D. Catarina, candidata ao trono, em 1580), perante o povo.

Esta data é comemorada, anualmente, em Portugal sendo, até 2012, feriado o dia 1 de Dezembro.

Um grupo de alunos do 6º Ano, da turma C, participou ativamente nesta comemoração, realizando um pequeno questionário relativo a este acontecimento, junto da comunidade educativa da Escola, usando um crachat ao serviço da BE/CRE.




A Professora Bibliotecária
Ana Maria Gândara Paiva




quarta-feira, 14 de novembro de 2012

lerdo ler: Ler e ver para crescer por dentro

lerdo ler: Ler e ver para crescer por dentro: "Sometimes in April" (2005 - 140m). Selecção Oficial Festival de Berlim 2005 A partir do mês de Abril de 1994 e durante 100 dias, mais ...

lerdo ler: Leitores-salvadores, precisam-se

lerdo ler: Leitores-salvadores, precisam-se:  

domingo, 11 de novembro de 2012

O Dia do Armistício


desenho de Dia da Lembrança ou Dia do Armistício, comemorando o fim da Primeira Guerra Mundial. O armistício foi eficaz às 11 horas no dia 11 do mês 11 de 1918 para colorir       










 O Dia do Armistício é o aniversário do fim simbólico da Primeira Guerra Mundial, em 11 de Novembro de 1918 . Já lá vão 94 anos...
A data recorda a assinatura do Armistício de Compiégne , assinando entre Aliados e o Império Alemão, pelo fim das hostilidades.  
                    O horror da guerra na Flandres
                                                            

 

Homenagem aos milhões de mortos numa guerra cruel, sangrenta, impiedosa, onde milhares de soldados morriam só para ganhar um metro de terra. A artilharia foi a responsável pelo maior número de baixas durante a guerra. Neste conflito estiveram envolvidos cerca de 65 milhões de soldados. De Portugal seguiu o Corpo Expedicionário Português.
Na batalha de La Lys, no vale da ribeira de La Lys, na Flandres (Bélgica), os exércitos alemães provocaram uma estrondosa derrota às tropas portuguesas, só comparável com o desastre da batalha de Alcácer-Quibir. Em apenas 4 horas, as tropas portuguesas perderam 7500 homens, entre mortos, feridos, desaparecidos, e prisioneiros, mais de um terço dos efetivos, entre os quais 327 oficiais.

    A guerra nas trincheiras         
      OS CAMPOS DA FLANDRES                                                 

Nos campos da Flandres crescem papoilas
Entre as cruzes que, fila a fila,
Marcam o nosso lugar; e no céu
As cotovias, ainda corajosamente a cantar, voam
Escassas, fazendo-se ouvir entre as armas abaixo.


                                         Nós somos os Mortos
                                          Há poucos dias atrás
                                          Vivíamos, sentíamos o amanhecer, éramos amados; agora repousamos
                                          Nos campos da Flandres.

 
Tomem a nossa guerra com o inimigo
A vós entregamos, das nossas mãos moribundas,
A tocha; que seja vossa, para que a mantenhais ao alto.
Se traírdes a nossa fé, dos que morremos,
Jamais dormiremos, ainda que cresçam papoilas
Nos campos da Flandres.


John McCrae



                                                                                           Professora Ana Mª Paiva
                                                                              


sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Charles de Gaulle

Biografia de Charles de Gaulle:

Faz, hoje, 42 anos que morreu Charles de Gaulle.

 

 Charles de Gaulle (1890-1970) foi um general e político francês.Um dos comandantes aliados na 2ª Guerra Mundial e um dos principais estadistas do pós-guerra. Na 1ª Guerra Mundial , é feito prisioneiro pelos alemães. Na 2ª Guerra, tem sucesso na defesa da França contra a invasão alemã.Em 1940, vai à Inglaterra em missão oficial e recusa-se a voltar quando o governo do marechal Pétain assina o armistício com a Alemanha. É julgado à revelia e condenado à morte. De Londres, organiza e dirige a resistência francesa. Encarregou Jean Moulin (herói francês da resistência), de unificar os movimentos de resistência contra a ocupação alemã em França. Assume o governo provisório ao voltar à França, em 1944. Entra em conflito com a oposição e deixa a Presidência em 1946. No ano seguinte, organiza o movimento Reunião do Povo Francês (RPF).A dissolução do partido, em 1952, leva-o a deixar a política. Em 1958, após a rebelião de militares franceses na Argélia, é chamado a formar um novo governo. Em 21 de dezembro de 1958, foi eleito primeiro Presidente da V República, liderou a redação de uma nova Constituição, e assumiu o cargo em 1959, no qual permaneceu até 1969. Apesar de ter apoiado inicialmente o domínio francês sobre a Argélia, decidiu mais tarde conceder a independência àquele país, encerrando uma guerra cara e impopular. A decisão dividiu a opinião pública francesa, e De Gaulle teve que enfrentar a oposição dos colonos pieds-noirs e dos militares franceses que tinham inicialmente apoiado seu retorno ao poder. Durante os protestos de maio de 1968, é obrigado a fazer concessões, como a dissolução da Assembléia Nacional. Em 1969, perde o referendo sobre reformas administrativas e renuncia à Presidência, retirando-se da vida pública.De Gaulle é considerado como o líder mais influente da história da França moderna. Sua ideologia e seu estilo político - o gaullismo - ainda tem grande influência na vida política francesa atual.


Líderes da França Livre, Henri Giraud e Charles de Gaulle, com Franklin Roosevelt e Winston Churchill, durante a Conferência de Casablanca, em 14 de janeiro de 1943.                                                             
                                                                            
 
  





Charles de Gaulle       



  

  




Professora Ana Mª  Gândara Paiva                                                        

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Mumificação no Egito antigo


Os alunos, de uma maneira geral, gostam muito de histórias ligadas ao antigo Egipto. Procuram na BE/CRE livros que contenham histórias fantásticas desse povo, e que a todos apaixonou e apaixona. Seduzidos por essas histórias, que povoam o seu imaginário, remexem, e tornam a remexer nas prateleiras, à procura de livros sobre a civilização egípcia, a fim de saberem mais e mais sobre essa temática. As imagens são fundamentais. Quem não se lembra das aventuras do personagem Indiana Jones, criado pelos realizadores George Lucas e Steven Spielberg?.
Por isso, lembrei-me, então, de colocar neste blog o processo de mumificação, processo aprimorado pelos Egípcios, e que durante muitos séculos intrigou cientistas.
Vejamos, então, alguns belas imagens retiradas de um dos mais belos museus do mundo - The British Museum, e que nos mostra todo este fantástico processo.
 
Enrolamento da múmia





Primeiro a cabeça e o pescoço eram enrolados juntamente com tiras de


fino linho. Em seguida os dedos e o restante do corpo individualmente


   Os braços e as pernas eram enrolados separadamente. Entre as ataduras do embalsamado eram colocados amuletos para proteger o corpo na sua jornada no outro mundo.

 << "Laço de Ísis" amuleto para proteger o corpo  
"Prumo ou Nível", amuleto que mantinha o equilíbrio na próxima vida. >>

Uma sacerdotisa proferia encantamentos enquanto a múmia ia sendo enrolada. Esses encantamentos ajudavam o morto a se livrar dos espíritos malignos na outra vida.
Os braços e as pernas eram amarrados juntos. Um rolo de papiro com
encantamentos do Livro dos Mortos era colocado entre as mãos.


Mais tiras de fino linho são enroladas no corpo. As bandagens
eram embebidas num tipo de cola para mantê-las unidas.
Uma espécie de túnica envolve a múmia;


 sobre a túnica é pintada uma figura do deus Osíris                                        



Finalmente, uma outra túnica envolve inteiramente a múmia, que é enlaçada
com tiras de linho dos pés até a cabeça, e cruzada sobre o tórax.

Uma capa de madeira pintada protege a múmia antes de ela ser posta no sarcófago;
e o primeiro sarcófago é colocado dentro de um 
segundo sarcófago.


O funeral é presidido pelos familiares do morto












 É realizado um ritual chamado "Abertura da boca", enquanto os familiares do morto comem e bebem. Anúbis segura a múmia por trás.
Finalmente, a múmia e colocada dentro de um amplo sarcófago de pedra na tumba. Mobílias, roupas, objetos de valor, alimento e bebida são postos na tumba para o falecido.
Agora o morto está preparado para a sua jornada ao desconhecido. Lá seu coração (alma) será julgado pelas boas ou más ações na terra. Se seu coração for julgado puro ele será enviado para viver por toda eternidade na beleza dos "Campos de Caniços".



Professora Ana Maria Gândara Paiva















quinta-feira, 1 de novembro de 2012

O terramoto de Lisboa

Alguém se lembra que faz justamente, hoje, 257 anos que Lisboa foi atingida por um terramoto, e que foi notícia na Europa?
Pois é, na manhã de 1 de Novembro, dia de Todos os Santos, um violento terramoto fez-se sentir em Lisboa, Setúbal e no Algarve. Na capital, local onde atingiu maior intensidade (modernamente crê-se que com grau 9 na escala de Ritcher ), foi acompanhado por um maremoto (tsunami) com ondas que parecem ter chegado aos 20 metros. O maremoto varreu o Terreiro do Paço e um gigantesco incêndio que, durante 6 dias, completaram o cenário de destruição de toda a Baixa de Lisboa.
Este trágico acontecimento foi tema de uma vasta literatura, e de que é exemplo o poema de Voltaire "Le Désastre de Lisbonne", publicado em 1756, no ano seguinte ao terramoto que devastou a capital portuguesa. Este texto serviu de pretexto para o filósofo se opor a quantos viam no acontecimento um mero reflexo inelutável da vontade divina.
De uma população de 275 mil habitantes em Lisboa, crê-se que 90 mil morreram.
Cerca de 85% das construções de Lisboa foram destruídas, incluindo palácios famosos e bibliotecas, conventos e igrejas, hospitais e todas as estruturas. Várias construções que sofreram poucos danos pelo terramoto foram destruídas pelo fogo que se seguiu ao abalo sísmico.
Quase por milagre, a família real escapou ilesa à catástrofe. O Rei D. José I e a corte tinham deixado a cidade depois de assistir a uma missa ao amanhecer, encontrando-se em Santa Maria de Belém, nos arredores de Lisboa, na altura do sismo. A ausência do rei na capital deveu-se à vontade das princesas de passar o feriado fora da cidade. Depois da catástrofe, D. José I ganhou uma fobia a recintos fechados e viveu o resto da sua vida num complexo luxuoso de tendas no Alto da Ajuda, em Lisboa "A Real Barraca da Ajuda".
Tal como o rei, o Marquês do Pombal, Ministro da Guerra e futuro Primeiro-ministro de Portugal, sobreviveu ao terramoto. Com o pragmatismo que caracterizou a sua futura governação, ordenou ao exército a imediata reconstrução de Lisboa. Conta-se que à pergunta "E agora?" respondeu: -  "Enterram-se os mortos e cuidam-se os vivos", mas esse diálogo é provavelmente apócrifo. A sua rápida resolução levou a organizar equipas de bombeiros para combater os incêndios e recolher os milhares de cadáveres para evitar epidemias.
O ministro e o rei contrataram arquitectos e engenheiros, e em menos de um ano depois do terramoto já não se encontravam em Lisboa ruínas e os trabalhos de reconstrução iam adiantados. O rei desejava uma cidade nova e ordenada e grandes praças e avenidas largas e rectilíneas marcaram a planta da nova cidade. Na altura alguém perguntou ao Marquês de Pombal para que serviam ruas tão largas, ao que este respondeu que um dia hão-de achá-las estreitas....
O novo centro da cidade, hoje conhecido por Baixa Pombalina é uma das zonas nobres da cidade. São os primeiros edifícios mundiais a serem construídos com protecções anti-sísmica, que foram testadas em modelos de madeira, utilizando-se tropas a marchar para simular as vibrações sísmicas. 

O terramoto de Lisboa

 História de Portugal: O Terramoto de Lisboa (1755)

A Professora Bibliotecária Ana Maria Paiva


quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Halloween - Dia das Bruxas




  O Halloween é uma festa comemorativa celebrada no dia 31 de outubro, véspera do dia de Todos os Santos. É realizada em grande parte dos países ocidentais, mas é mais representativa nos Estados Unidos. Esta festa foi levada pelos imigrantes irlandeses, em meados do século XIX.

História do Dia das Bruxas

A história desta data comemorativa tem mais de 2500 anos. Surgiu entre o povo celta, que acreditava que no último dia do verão (31 de outubro), os espíritos saíam dos cemitérios para tomar posse dos corpos dos vivos. Para assustar estes fantasmas, os Celtas colocavam nas casas, objetos assustadores como, por exemplo, caveiras, ossos decorados, abóboras enfeitadas entre outros.
Por ser uma festa pagã foi condenada na Europa durante a Idade Média, e passou a ser chamada de Dia das Bruxas. Aqueles que comemoravam esta data eram perseguidos e condenados à fogueira pela Inquisição.
Com o objetivo de diminuir as influências pagãs na Europa Medieval, a Igreja cristianizou a festa, criando o Dia de Finados (2 de novembro).


          


Símbolos e Tradições

Esta festa, por estar relacionada na sua origem à morte, resgata elementos e figuras assustadoras. São símbolos comuns desta festa: fantasmas, bruxas, zumbis, caveiras, monstros, gatos negros e até personagens como Drácula e Frankestein.
As crianças também participam desta festa. Com a ajuda dos pais, usam fantasias assustadoras e partem de porta em porta na vizinhança, onde soltam a frase “doçura ou travessura”. Felizes, terminam a noite do 31 de outubro, com sacos cheios de guloseimas, chocolates e doces.


Professora Ana Maria Paiva